Terça-feira, 14 de Dezembro de 2004

... Até Já

Quando estou a começar a escrever este post são precisamente 18:02 horas. Vocês compreendem que num jantar de amigos, quando um dos convidados começa a olhar muito para o relógio quer dizer que está à espera da primeira oportunidade para se pôr a milhas.

Digo-vos que decidi como que por acaso criar este blog há muitos meses atrás e não fazia ideia no que me estava a meter. Todavia tive sempre presente ser fiel ao meu primeiro post e à promessa então deixada! Comecei entusiasmado, mas ao fim de um mês quase que desisti e entre Fevereiro e Agosto apenas publiquei... 1 artigo. Em Agosto ganhei novas energias e voltei a publicar...
Este blog chegou a causar alguma sensação entre Setembro e Outubro e acabou por fazer parte ( embora apenas por um dia) do Top 25 do Sapo: dia 18 de Outubro com 170 visitas.
Se querem conhecer um pouco de mim leiam todos os artigos que publiquei, porque tudo o que escrevo não é um acaso.

Querem saber mais sobre mim? Cá vai: Tenho 33 anos, resido no Grande Porto; Sou Cristão ou católico, mas pouco praticante; ainda sou solteiro; tenho um emprego que muitos invejam. Não tenho feitio para certas coisas e odeio os chicos-espertos e aqueles que nunca dão ponto sem nó. Tenho uma paixão não doentia pelo grande e magnífico F.C.Porto.

Desde há 15 dias a esta parte e sem saber porquê não tenho tido motivação para actualizar este blog - e se o tenho feito é mais por respeito de quem o visita do que por gosto meu ...

...Assim decidi parar com o blog até aos primeiros dias de Janeiro. Até lá deixem as vossas sugestões, ou temas que gostariam de ver tratados por mim e não tenham receio de fazerem as vossas críticas!

Tenham todos um santo Natal e um feliz Ano Novo. Fiquem bem.





publicado por Paulo do Porto às 18:39
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2004

Uma possível explicação científica e filosófica

    buraconegro1.jpg



</td>
   Onde se Situa o Mundo Espiritual?


Essa é uma pergunta que sempre confundiu as pessoas, principalmente aqueles que procuraram, na compreensão de tal realidade, uma explicação que fosse científica e racional. Embora a ideia de um mundo espiritual não possa ser reduzida a um pensamento puramente científico, podemos tentar abordar o tema numa linguagem que, não sendo, poderá aproximar-se dessa visão científica.

Ao longo dos séculos as pessoas tentaram conceber a ideia de um lugar puramente espiritual que seria a morada das almas, ou do espírito, que embora sejam coisas distintas, podemos tomá-las por iguais para não complicar a presente exposição. Para muitos esse lugar era o paraíso, um espaço partilhado por todos aqueles que tinham alcançado um determinado patamar. Mas esse era um lugar difícil de posicionar no nosso universo material, pois onde estaria esse espaço espiritual? Posicionar o mundo espiritual num lugar físico, seria destitui-lo de toda a sua natureza, no entanto, ele teria que estar em algum "lugar". Conceber esse lugar como uma realidade concreta, implicaria colocá-lo num "sítio" a-temporal e a-espacial. Só assim se poderia justificar a sua natureza onde tudo é uma só coisa. Mas onde estaria esse "lugar" a-temporal e a-espacial? Ao olharmos para a história do nosso universo seguindo os compêndios deixados pela compreensão que a ciência fez do mesmo, constatamos que realmente existiu esse lugar. É aquilo que chamamos de singularidade, ou seja, o momento anterior ao Big-Bang. Esse era um "lugar" a-temporal e a-espacial. Poderíamos, desse modo, tomá-lo como sendo a morada das almas: que outro lugar se não esse para justificar aquilo que contraria todas as leis conhecidas, como a existência de uma alma, que a própria singularidade onde nenhuma lei do universo físico funciona. Mas isso colocar-nos-ia um problema. É que esse momento deixou de existir após o Big-Bang, e o mundo espiritual é eterno. Para resolver este pequeno paradoxo, teríamos que ver o nosso universo como sendo um lugar quadrimensional. Não só as três dimensões do espaço, mas igualmente a dimensão do tempo. Assim, ao tomarmos o tempo como uma dimensão, este passaria a ser um todo e não uma parte.

Num universo tridimensional o tempo apenas existe no momento que dele temos consciência, sendo o passado algo que deixou de existir e o futuro algo que ainda está por acontecer. No entanto, num universo quadrimensional, o tempo é por si só uma dimensão; passado, presente e futuro são em simultâneo um único momento. Ou seja, da mesma forma que quando eu me desloco no espaço o lugar que ficou para trás não deixa de existir, mesmo que eu já lá não esteja, quando eu me desloco no tempo num universo quadrimensional esse momento passado também não deixa de existir, continuando presente. Para uma melhor compreensão desta ideia, vou materializa-la num modelo. Imaginem, então, que o universo é uma esfera onde o tempo é a latitude e o espaço a longitude. Assim, o Polo Norte é o momento anterior ao Big-Bang, esse lugar a-temporal e a-espacial. Ao avançarmos na latitude que é o tempo, constatamos que o universo expande-se, atingindo o momento de expansão máxima no equador, começando depois a convergir sobre si mesmo até atingir o Polo Sul que é o momento posterior ao Big-Crunch. Ao olharmos para a esfera reparamos que esta já existe como um todo, pois trata-se de um modelo quadrimensional. Embora apenas estejamos conscientes num determinado ponto "geográfico" dessa esfera, o Polo Norte que para nós é passado e o Polo Sul que para nós é futuro, são em simultâneo um único momento dessa mesma esfera. Assim, esse momento a-temporal e a-espacial não deixou de existir com o Big-Bang, já que o tempo passou a ser uma dimensão, e desse modo, todo ele está presente com o espaço numa só unidade: a esfera. É claro que ao tomarmos a esfera como uma unidade espaço-temporal, esta deixa de ter princípio e fim. O Polo Norte, por exemplo, é apenas o princípio do universo para aqueles que se encontram na "superfície" da esfera, já que na realidade esse princípio não existe. Se, por exemplo, nos posicionarmos no Polo Norte e deslocarmo-nos até ao Polo Sul, constataremos que ao chegarmos ao Polo Sul o universo não termina, já que continuamos a viajem pelo meridiano contrário de volta ao Polo Norte. Assim, cada um dos pólos é em simultâneo o princípio e o fim do universo, anulando-se mutuamente. Temos, desse modo, um universo que começa e acaba unicamente aos olhos daqueles que estão na "superfície" da esfera, mas que é eterno aos olhos daqueles que o observam de fora, ou de dentro, sendo esse "dentro" a própria singularidade. Contudo, ao olharmos para a esfera podemo-nos interrogar sobre o que existe dentro desta. É que sendo o espaço unicamente a circunferência que contorna a esfera e não o círculo que iria preenchê-la, resta saber o que existe no seu interior. É aqui que entra a teoria dos universos paralelos. Ou seja, dentro da esfera, tal como aquelas bonecas Russas que têm dentro de si uma boneca mais pequena, existem outros universos.

Partindo do princípio, apenas para simplificar, que o nosso universo encontra-se na crosta da esfera, este seria um universo de x escolhas, e o universo imediatamente interior seria um universo de x-1 escolhas. À medida que nos deslocássemos na direcção do centro da esfera, constataríamos que os universos tornar-se-iam menos complexos, mais simples e perfeitos. Ao chegarmos ao centro da esfera estaríamos num universo de zero escolhas, ou seja, a própria singularidade. Esse novo vector, aquele que vai desde a superfície da esfera até ao centro, seria aquilo que poderíamos considerar a quinta dimensão e que nos permitiria, tendo como base o próprio modelo, viajar pelo universo instantaneamente, pois fá-lo-iamos sem recorrer à longitude e à latitude (espaço-tempo), mas apenas ao novo vector. E sem o espaço e o tempo a condicionar os nossos "movimentos", tudo tornar-se-ia um só momento e um só lugar. Desse modo, se eu posicionar-me no Polo Norte que é a singularidade, e deslocar-me até ao centro da esfera passando pelos Pólos Norte dos outros universos, estaria a fazê-lo sem sair do mesmo lugar, já que continuaria na singularidade. Logo, esse momento a-temporal e a-espacial não existiria apenas no Polo Norte e no Polo Sul do nosso universo, mas em todo o eixo que iria desde o Polo Norte até ao Polo Sul, passando pelo centro da esfera. E seria esse eixo, a-temporal e a-espacial, que existe desde sempre e que sempre existirá, que serviria de morada às almas. Assim, respondendo directamente à pergunta: "Onde é que se situa o mundo espiritual?", eu diria que este situa-se no eixo do universo. Mas como "situar" implica a existência de espaço e de tempo, eu corrigiria, dizendo: O mundo espiritual É no eixo do universo.

Tendo chegado a esta conclusão, no contexto do modelo apresentado, outro tipo de considerações poderiam ser feitas sobre o mesmo. Se tomarmos o mundo espiritual como sendo o "lugar" onde reside a consciência de Deus, então Ser no eixo do universo é Ser em todo o universo, já que não existindo espaço-tempo a separar o eixo da superfície, mas apenas a quinta dimensão, residir nesse lugar teria como resultado estar em toda a parte, ou seja, ser omnipresente em relação à esfera. Outra consideração que se poderia fazer sobre o mesmo modelo, seria as dos buracos negros, que são vistos, também eles, como sendo singularidades, e que neste caso ligariam os universos ao próprio eixo, funcionando como um portal para o mundo espiritual.

                                                                    ( autor desconhecido)

Para compreenderem melhor este texto, imaginem o universo como um globo, como uma bola de futebol, onde o nosso mundo ( nossa galáxia) se situa à superficie, no equador.Imaginem onde se situa o Pólo Norte e o Pólo Sul - o eixo ou linha que os une seria o mundo espiritual ( um mundo perfeito, sem escolhas), e o vector entre o nosso mundo e esse eixo seria como um tunel para outro mundo - a quinta dimensão! Infelizmente não consegui apurar o autor destas conclusões, mas está tremendo... 

 

publicado por Paulo do Porto às 19:11
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Sábado, 4 de Dezembro de 2004

Países( muito) baixos

Neste Sábado à tarde vi uma reportagem na SIC Notícias que me chocou. No País das Tulipas, a Holanda, os "recém-nascidos" nascidos até ás 25 semanas de gestação, não vão para os cuidados intensivos, não vão para as incubadoras, mas são deixadas morrer na presença dos pais. Esta Lei apareceu porque as hipóteses de sobrevivência destas crianças são poucas e quando sobrevivem normalmente têm um QI mais baixo que as outras crianças, apesar de a maioria irem para as escolas primárias normais e acabam por se adaptarem. A reportagem apresentou crianças muito precoces nos Estados Unidos que sobreviveram com 23 semanas de gestação e seis anos depois são crianças normais, apesar de outras apresentarem um certo atraso intelectual.

Fiquei a saber que a Holanda ( Países Baixos) é o único País do mundo onde isto se verifica, mas já há mais dois ou três países que admitem importar estas medidas.

Segundo esta Lei, mesmo que os pais exijam ajuda médica para salvar a sua criança precoce, os médicos não são obrigados a isso e podem deixar o recém nascido morrer.... o que tem sido prática habitual. Uma mãe chegou a desabafar "Eu era capaz de matá-los" referindo-se aos médicos.

Isto é INFANTICÍDIO, isto é HOMICÍDIO
publicado por Paulo do Porto às 19:23
link do post | comentar | ver comentários (21) | favorito
|

.pouco de mim

.pesquisar

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Obviamente Nao

. ...

. Meguido

. Um mês diferente

. Mulheres Feministas

. Oásis

. deserto

. Espelho especial

. Tenhamos Fé

. 2º parte - provas que Jes...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Maio 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.favoritos

. O animal humano

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds