Quarta-feira, 23 de Novembro de 2005

paz podre

Estranhamente o mundo vive um tempo de paz. Os factos parecem não desmentir. Desde a queda do muro da vergonha em Novembro de 1989 que o número de guerras diminui. Parece estranho, mas é verdade! Convém não esquecer que entre 1945 e 1985 ( guerra fria), foram poucos os países do mundo que não estiveram envolvidos em guerras - guerras ideológicas, guerras trivais, guerras imperiais... até Portugal esteve em guerra com as colónias.  Contudo o tempo actual é um tempo de paz podre em oposição à guerra fria.

A paz podre acontece quando os beligerantes encontram-se em posição de algum desgaste e sentem que não conseguem vencer o rival sem grandes perdas , ou então estão a retemperar forças para a batalha final. A batalha final no mundo dos homens será desencadeada da seguinte maneira:

De uma forma repentina uma determinada região do mundo ( não interessa saber qual) entrará em conturbação ou convulsão e pelo menos uma nação será completamente destruída ( destruída em poucas horas pela guerra). Esta situação encherá de espanto toda a humanidade. A partir daí será o efeito dominó. Depois deste acontecimento virão outros noutras partes do mundo, porque haverá vinganças e o mundo ficará desiquilibrado porque essa tal região deixou de existir, ou deixou de haver lei ou ordem. Logicamente todo o mundo será afectado...será afectado ao nivel político, cultural, religioso, ambiental...

Depois disto e de outros acontecimentos lamentáveis será a vez da natureza e das forças cósmicas entrarem em acção. Estaremos a entrar na segunda fase. Toda a humanidade receberá um aviso... esse aviso virá do céu e encherá novamente de espanto a humanidade. Contudo esse acontecimento não provocará mal á humanidade, será apenas um aviso. Muito pouco tempo depois do aviso, acontecerá toda a espécie de tragédias e pragas à humanidade, fazendo lembrar o que aconteceu ao Egipto no tempo de Moisés( quem puder compreender, que compreenda). Toda a humanidade será levada ao "deserto" ...

publicado por Paulo do Porto às 00:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Novembro de 2005

Uma realidade alternativa

Hoje 27 de Outubro de 2033, o governo do Partido Socialista Soarista ( PSS ) decretou o embargo comercial à ex-região autónoma da madeira e actualmente independente! Entretanto o principal partido da oposição ( partido comunista) convocou uma manifestação nacional de protesto exigindo que ao lado da estátua do Eusébio e de Mário Soares, seja erguida uma esfinge do grande Álvaro Cunhal.


Continua a decorrer negociação entre as autoridades portuguesas e brasileiras para a captura do líder dos rebeldes e responsável pelo odioso projecto Nova Vida, projecto entretanto reduzido a cinzas. O presidente da República, Super Mário, declarou urgente o aumento de impostos para os casais heterossexuais, isto porque Portugal continua atrasado no número de casais homossexuais em relação à Europa. Também na próxima semana a família Soares, que detém 55% da riqueza portuguesa, irá exigir no Parlamento Nacional ( antigamente conhecido por Fundação Soares), fechar as fronteiras à Europa e ao mundo, por causa das ameaças das Nações Unidos a Portugal devido à política de anti-globalização das autoridades lusas. O PSS já avisou que o país está de boa saúde, apesar dos 21% de desempregados e dos 6 milhões de pobres. O PSS declarou uma amnistia para os condenados do mais longo processo do mundo - o processo Casa Pia, afirmando que a tolerância é um bem a praticar.


Entretanto na próxima campanha eleitoral o PSS terá como bandeira o slogan " Temos de negociar com os terroristas" e a estratégia para ganhar as eleições será o ataque sistemático e violento à oposição. Segundo os historiadores Portugal caiu nas mãos do "soarismo de estado", porque o povo foi fraco, não resistiu e deixou-se levar pela falta de ética, pelo ataque sem nexo, pela baixa política, e deu a vitória ao Dr. Mário Soares na segunda volta das eleições presidenciais de 12 de Fevereiro de 2006...


    PS: Espero que seja apenas realidade alternativa.

publicado por Paulo do Porto às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Novembro de 2005

Paris, je t`aime

                                             fogo.jpg


A desordem instalou-se nos arredores das grandes cidades Francesas, sobretudo Paris. Jovens e adolescentes queimam e destroem tudo à sua passagem. Quem são os responsáveis? Se eu fosse intelectual de esquerda diria que a culpa é das políticas económicas e sociais dos sucessivos governos. Mas eu não sou intelectual de esquerda. Peço desculpa, mas digo que ser intelectual de esquerda é ter um virus que se instalou na sociedade faz algum tempo e que pega-se - só quarentenas muito dolorosas impedem a contaminação dos restantes...


Mas porra, de quem é a culpa?  Resposta fácil: todos somos culpados!  Não quero ir por aí, por isso apresento outros argumentos.


1) O ser humano é por natureza racista e tende a pertencer a grupos organizados, a clãs - Exemplo disso é o clã político(  Che Guevara é um santo) , clã religioso ( no meu sangue ninguém toca) , ou clã desportivo ( Baía, cabrão não vais à selecção !). Contudo, os mais perigosos dos clãs são dois(2), o clã das cores e o clã cultural. Em França, mais do que nos outros países, dois exércitos já declararam guerra mútua e prometem aniquilação do adversário. De um lado da barricada temos os verdadeiros franceses, que são os «cara pálida republicanos e laicos» e do outro lado da trincheira temos os «todos os outros».Ora, o primeiro erro dos intelectuais de esquerda é esquecer que há uma guerra entre estes dois pólos, falam como a culpa fosse do sistema, do governo que excluiu os pobres e os imigrantes. Este argumento só é verdadeiro se for inserido como fatia de um bolo e não como o bolo no seu todo. Se o argumento da exclusão fosse verdadeiro, os dois milhões de pobres e excluídos em Portugal já tinham provocado uma guerra civil e/ou o Brasil já nem existiria como nação. A exclusão é apenas uma consequência da tal guerra que falei atrás, e em que as duas partes são culpadas. Ainda se o argumento da exclusão fosse válido os imigrantes originários de África ou Magreb jamais provocariam desordens brutais como incendiar escolas, porque nos seus países de origem, pertencer à classe média é menos vantajoso que pertencer à classe dos pobres e excluídos em França. Os dois lados têm os seus aliados. Os cara pálida republicanos e laicos têm o dinheiro e o poder, os todos os outros têm a sede de dinheiro e a sede de poder.

 2) Ética e valores. Em treze(13) dias de violência ainda não vi nenhum intelectual de esquerda referir-se a estas duas palavras. Foi na França, no século XVIII, que nasceu a guerra aos valores. Em nome da liberdade criámos a cultura da morte, em nome da igualdade destruímos a família, em nome da fraternidade adulterámos a justiça e a responsabilidade. O altruísmo, o respeito, a paz, a partilha, a dignidade e a profundidade interior são postos para segundo plano. Quando adolescentes de 12/13 anos estão nas ruas até às cinco da manhã e a família ( ou o que resta dela) está em casa, na cama, descansada e pouco preocupada, é a prova que a sociedade perdeu os valores. No seu lugar a competição e o individualismo são reis e senhores. Os novos lemas, para os dois lados da barricada, são a conquista, a vitória a qualquer preço, o vale tudo, não olhar a meios para atingir os fins... como se vê no desporto, no local de trabalho.

publicado por Paulo do Porto às 19:13
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Domingo, 6 de Novembro de 2005

Faça-se luz

                            ovni02.jpg


Qual o sentido final do homem? O aparecimento do homem é um acaso, é algo imposto pelas leis gerais do universo? Faz sentido imaginar um "Deus" activo que rege o destino do universo e o destino do homem? Estas questões não são de resposta fácil e muito menos de resposta pronta. Uma coisa que sempre me impressionou desde muito pequeno, foi o Espaço. Quando tinha seis ou sete anos, passava horas ao início da noite a olhar o céu e as estrelas. Depois aprendi nos livros toda a perfeição do movimento dos astros. Descobri por exemplo que quando olhamos para uma estrela, apenas vemos uma imagem do passado, uma imagem possivelmente de há milhares de anos. Vemos uma ilusão, até pode ser que essa estrela já tenha morrido. Tudo há nossa volta é ilusão! De manhã dizemos: " O sol está a nascer", todavia o sol já nasceu há biliões de anos; a água não passa de uma mistura de oxigénio e hidrogénio e tudo está sujeito à caducidade, à morte...


Quero dizer que nunca acreditei no acaso, não acredito que apenas existimos porque num passado muito distante houve uma terrível explosão, ou big bang, reparem neste milagre: Segundo a ciência, antes de aparecer o universo, havia uma espécie de "átomo" infinitamente pequeno, tal como acontece com os protões e electrões que são invisíveis, mas que esse "átomo" era extremamente quente, denso e pesado, porque concentrava no fundo todo o nosso futuro universo. Esse átomo explodiu e nasceu o universo que se foi expandindo até hoje...um verdadeiro milagre que nem a igreja se lembraria de tal...


Todavia tem lógica, porque não é a própria vida um milagre? E não é um milagre das milhões de espécies da Terra, só uma ser inteligente. Mas voltemos atrás. Segundo os melhores astrónomos do mundo, foi a forma como explodiu o big bang que fez que o universo tomasse um determinado destino, ou seja há uma infinidade de formas diferentes de explodir, e se explodisse de uma forma diferente, provavelmente a lei da gravidade seria uma outra coisa, ou a vida tomaria formas diferentes, ou simplesmente não haveria vida, o próprio conceito de tempo e espaço seriam muito diferentes... poderia por exemplo não haver luz . Também aqui eu estou de acordo, veja-se o caso de milhões de espermatozóides e só um chega ao destino.


Concluo dizendo que a vida é um "milagre", e o homem um milagre infinito e  seguramente que o big bang não explodiu por acaso, e não estava lá por acaso, porque no nosso mundo também ninguém nasce por acaso e seguramente este post desta madrugada não é um acaso.Segundo a bíblia a primeira coisa que Deus disse foi: "Faça-se luz". Não foi a tal super-explosão uma explosão de luz... o início de tudo? E qual o destino do homem? Quem sabe num próximo post...! 


publicado por Paulo do Porto às 02:01
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Novembro de 2005

Todos contra Cavaco

cavaco.jpg


Cavaco Silva está de volta! Cavaco Silva tem uma oportunidade única de devolver o equilíbrio à nação. Portugal vive uma situação perigosa. O governo é do PS e  tem maioria absoluta. O Presidente da República é socialista, o presidente da Assembleia da República é socialista, o presidente da Galp é socialista, o presidente do Tribunal de Contas é do PS, o presidente do Banco de Portugal é super-socialista...Nunca em 30 anos de democracia o poder esteve tão concentrado nas mesmas mãos.  


Não queria fazer aqui um esboço do passado do Professor Cavaco, contudo, porque a estratégia dos seus inimigos é falar do passado convém lembrar o seguinte: Cavaco foi chefe de governo no período 1985/1995, e Portugal durante esse período cresceu muito acima da média europeia, o que já não tem acontecido desde 1998 ( cresce abaixo). Muitos dizem que se deveu aos fundos comunitários, só esquecem-se que de 1995 até hoje Portugal continuou a receber o "ouro", só que pelos vistos é mal aproveitado.


Para os distraídos vou recordar o que era Portugal em 1985: Para ir de Lisboa ao Porto, teríamos de viajar pela velha estrada nacional, porque a A1 só foi inaugurada em 1991; Os trabalhadores não tinham o 14º mês, a inflação e os juros da banca eram altíssimos, havia dezenas de milhares de barracas ( foi Cavaco que ordenou o fim das barracas para substituí-las por Bairros Sociais). Portugal em 1985 era um país a preto e branco, um país sem Lei nem ordem, por exemplo, os automobilista não usavam cinto de segurança, quase todos cospiam para o chão, os homem urinavam em qualquer sítio da rua, desde que houvesse um poste ou uma parede. Foi preciso vir Cavaco dar um murro na mesa e a partir daí todos nós começamos a ter medo às multas, para bem da saúde pública.Só tinhamos dois canais televisivos( o PS esteve contra os canais privados).  Estou convencido que os Portugueses só agora começam a perceber esses tempos. É claro que Cavaco cometeu erros, porque 10 anos é muito tempo...mas no fundo a história irá dar razão a Cavaco, porque o período 1985/1995 foi um tempo em que os Portugueses tinham orgulho em ser Portugueses.


A partir de 1995 tudo se alterou: Governos minoritários, Guterres fugiu, Durão foi para a Europa, ministros das finanças todos os anos, a criminalidade sempre a aumentar, instabilidade política... crise... e já estamos outra vez na cauda da Europa!


Portugal precisa de três coisas: Um governo forte ( com maioria absoluta), um presidente sério e independente ( que esteja acima das querelas partidárias) e um povo confiante nas suas potencialidades. Cavaco e os Portugueses têm uma oportunidade única.     

publicado por Paulo do Porto às 23:26
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.pouco de mim

.pesquisar

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Obviamente Nao

. ...

. Meguido

. Um mês diferente

. Mulheres Feministas

. Oásis

. deserto

. Espelho especial

. Tenhamos Fé

. 2º parte - provas que Jes...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Maio 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.favoritos

. O animal humano

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds