Segunda-feira, 6 de Setembro de 2004

Os Barcos e os Abortos...

Imaginem: Um Barco vem dos Estados Unidos - Barco da Morte - até à Europa e informa as autoridades que vem com a intenção de discutir a PENA de MORTE, exigindo ao mesmo tempo a entrada do Barco em Águas Europeias; dizem ainda que querem confortar e aconselhar as vitimas de terrorismo e ajudá-las no seu sofrimento... e não icentivar à justiça pelas próprias mãos!!


Entretanto os organizadores da iniciativa exigem que já este ano a União Europeia mude a Lei ( autorize a Pena de Morte ), até porque - segundo eles - é a melhor forma de fazer diminuir o terrorismo no Velho Continente ...e dizem que é uma vergonha para a Europa ser o único Continente no Mundo sem a "pena máxima" e que não se calarão enquanto houver um homem ou mulher vitima da "bondade" dos governos europeus para com os terroristas...


.... mas continuemos a meditar: Agora imaginem que a Casa Branca "exigia" a entrada do Barco nas Águas europeias, baseando-se nos acordos da NATO. É evidente que os Europeus se sentiriam provocados... e eu também. Pensem meus amigos...pensem!!! (voltarei amanhã a este assunto) 

publicado por Paulo do Porto às 00:28
link do post | comentar | favorito
|
9 comentários:
De Anónimo a 22 de Setembro de 2004 às 19:45
Deixem as mulheres decidir.Peter
</a>
(mailto:Peter__pan@sapo.pt)
De Anónimo a 16 de Setembro de 2004 às 19:37
P/Ana: Apenas digo que o autor do blog não enfia a carapuça; antes de o barco vir já eu comentava estes casos...os arquivos deste blog conprovam-noNova vida
</a>
(mailto:Paulossr@sapo.pt)
De Anónimo a 15 de Setembro de 2004 às 20:31
O barco tem a missão cumprida nem foi necessário atracar para fazer com que estas mentalidades fechadas pelo menos discutissem. Há quem nem olhe para os lados nem para si próprio. O problema é mais dificil do que o chavão de direito á vida. Direito á vida sim mas com dignidade...Ana
</a>
(mailto:canico.acinom@clix.pt)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 01:59
Francamente não compreendi a tua metáfora.
Qual era o mal de uns americanos virem de barco até Portugal para quando cá chegassem fazerem propaganda da pena de morte?
Não somos um país livre?
Não é permitido a ninguém dizer que concorda com a pena de morte?
Quanto à pena de morte o primeiro país a aboli-la foi a Rússia, durante meia dúzia de anos, no século XVIII (depois recuperaram o tempo perdido). Em seguida foi o Estado de Michigan (USA). Depois foi a Venezuela e depois Portugal. A seguir creio que foi a Suécia.
Mas em Portugal, pelo menos, continuou (pelo menos legalmente) a existir a pena de morte para crimes militares (creio que só foi revogada depois do 25 de Abril).
Quanto aos restantes países europeus, a pena de morte até era um costume muito popular. Garrote em Espanha, guilhotina em França, forca no Reino Unido, etc.
Ainda nos anos setenta, pelo menos, era utilizada.
Só recentemente é que foi abolida em todos os países da UE.
O Raio
(http://cabalas.blogspot.com)
(mailto:cabalas@gmail.com)
De Anónimo a 10 de Setembro de 2004 às 01:56
Mas afinal o que é que a legitimidade do Governo tem a haver com o estado da Justiça...O Barco até já foi embora!!!Paulo
</a>
(mailto:Paulossr@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Setembro de 2004 às 23:49
Caro Paulo:

Portugal recebe lições todos os dias da Europa (composta também pela Holanda) nas mais variadas matérias e nós acata-mo-las sem sequer discutir.

Porquê este achaque repentino de nacionalismo condimentado com o "orgulhosamente sós"?

Em relação à decisão do tribunal, basta dizer uma coisa:

Num país onde juizes mandam prender arguidos 14 segundos após estarem em liberdade. Num país onde uma juiza de turno manda mandatos de captura num caso de violação de direitos de menores e logo a sua decisão é "apagada" e onde esta é morosa e falível, acha que TODOS nós (concordantes ou não com a despenalização do aborto) acreditam numa decisão de um tribunal?aZElha
(http://www.azelha.blogspot.com)
(mailto:O_azelha@hotmail.com)
De Anónimo a 8 de Setembro de 2004 às 00:20
Caro/a aZElha: Vamos lá ver se nos entendemos:O que eu questiono neste post é saber se o governo tem legitimidade para PROIBIR a entrada do "barco do aborto" em á guas portuguesas - a comparação com o " Barco da pena de morte" é metafórica e,portanto pode ser exagerada; mas o que parece evidente é que o governo tem razão ( veja-se a decisão do Tribunal)... Portugal não tem de receber lições da Holanda... Portugal foi o primeiro país da Europa a acabar com a Pena de morte. Paulossr
</a>
(mailto:Paulossr@sapo.pt)
De Anónimo a 7 de Setembro de 2004 às 23:57
Caro Paulo:

Na continuação das comparações exageradas e sem cabimento, leio mais uma neste seu blogue.

1º esta comparação é falsa porque lhe falta o pricipal interessado que os "defensores da vida" sistematicamente se equecem, que é a mulher que vai abortar. De facto, comparar este barco ao "Barco da Pena de Morte" e ao "Barco da Pedofilia"(em que se violaria crianças em alto mar, segundo um jovem de 21 de Espinho no programa Curto Circuito) é descabido, para ser simpático.

A grande diferênça, e é isto que os "pró-vida" não aceitam, é que as mulheres que iriam abortar fariam-no de livre e esponânea vontade, sem ser obrigadas ou coagidas, ao contrário desse "Barco da Pena de Morte" onde faltaria uma personagem principal: O acusado de morte.

Como tal, é necessário pensar, meu amigo. É necessário pensar...

PS: A Austrália tem pena de morte?
PS": Que eu saiba, questões como esta proposta no post não se submetem a uma política colectiva europeia, de facto, a problemática da entrada da Turquia na UE está dependente, exactamente, da pena de morte. aZElha
(http://www.azelha.blogspot.com)
(mailto:O_azelha@hotmail.com)
De Anónimo a 7 de Setembro de 2004 às 13:45
Um tema muito delicado... muito.polittikus
(http://polittikus.blogspot.com)
(mailto:pp@sapo.pt)

Comentar post