Quinta-feira, 2 de Junho de 2005

Era uma vez uma Europa Unida

Este ano de 2005 marca o inicio do fim do grande projecto Europeu. Que fique registado.


Ainda hoje vimos imagens horríveis passadas nas televisões de todo o mundo do massacre de milhares de inocentes muçulmanos na Bósnia em 1995. Os acontecimentos na Ex-Jugoslávia ( Bósnia- 1992/1995 e Kosovo - 1999) são demasiado recentes e deve fazer-nos pensar. O projecto Europeu só faz sentido se for feito às claras e tiver a concordância de todos os povos europeus. Não se deve forçar nada e não se deve fazer uma Federação ou Império a régua e esquadro- a ex-Jugoslávia é uma lição para todos os amantes da Paz.


 A verdadeira paz e concórdia entre os povos só nasce e cria raízes se vier de dentro do coração.


Eu confesso-vos que sempre fui um apoiante da União Europeia até há 3 anos atrás. Vivia na ilusão que os europeus eram uma família. Puro engano. Na Europa cada um puxa a brasa à sua sardinha. Para se criar uma verdadeira união europeia tem que haver algo que una todos os povos deste Continente. Vocês conseguem descobrir alguma coisa de profundo que faça a união entre Portugal e a Dinamarca? Existem mais semelhanças culturais, linguísticas entre portugueses e brasileiros ou angolanos, do que entre Portugueses e Suecos. Vejam o exemplos dos Estados Unidos que são uma Federação de 50 Estados. Os americanos têm orgulho na sua nação. Lá a bandeira nacional aperece nas janelas não por causas ridiculas como o futebol, mas apenas por sentirem orgulho em serem americanos. O que faz do povo americano, um povo tão unido nas alegrias e nas tristezas? Duas coisas: Todos têm o inglês como língua materna e em termos culturais são o exemplo vivo da cultura Judaico-Cristã... É muito comum ( concordemos ou não) a famosa frase dos Presidentes: "Deus abençoe a América"... eu sei que poderá ser hipocrisia, mas dá resultado, faz unir todo o povo americano na cultura Judaico-Cristã; não se esqueçam que o Presidente eleito é obrigado segundo a constituição prestar juramento sobre a Bíblia...


Entre os Europeus o que é que nos une? Será o futebol? Será a coca-cola? A cultura Judaico-Cristã é que não é concerteza ( leiam por favor o meu post anterior). ... E depois ainda se queixam dos problemas eternos como o País Basco ou a Irlanda do Norte...

publicado por Paulo do Porto às 23:24
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 9 de Junho de 2005 às 14:48
A Europa ainda é um mito... vejam-se os últimos acontecimentos!mfc
(http://pedemeias.blogspot.com)
(mailto:manuelfelixdacosta@sapo.pt)
De Anónimo a 7 de Junho de 2005 às 12:47
Depois de ler com cuidado o comentario do vitor fiquei sem palavras!! Resta-me deixar alguns beijinhos com carinho que pelo menos isso ele não fez;)Sonhadora
(http://sonhadorasempre.blogs.sapo.pt/)
(mailto:mtomisteriosa@hotmail.com)
De Anónimo a 5 de Junho de 2005 às 01:07
Talvez a Europa que interesse agora seja a pensada por Jean Monnet...Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)
De Anónimo a 3 de Junho de 2005 às 19:28
Se, por um lado, o cristianismo encontrou a sua forma mais eficaz na Europa, por outro, é necessário dizer que foi na Europa que se desenvolveu uma cultura que constitui a contradição absolutamente mais radical não só do cristianismo, mas também das tradições religiosas e morais da humanidade. Daqui se compreende como a Europa está a experimentar uma verdadeira “prova de tracção”; daqui se compreende também a radicalidade das tensões a que o nosso continente deve fazer frente. Mas aqui emerge, sobretudo, a responsabilidade que nós europeus temos de assumir neste momento histórico: no debate sobre a definição da Europa, sobre a sua nova forma política, não está em jogo qualquer batalha nostálgica “de retaguarda” da história, mas sim uma grande responsabilidade pela humanidade de hoje.
Observemos agora mais cuidadosamente esta contraposição entre as duas culturas que caracterizaram a Europa.
No debate sobre o Preâmbulo da Constituição Europeia, esta contraposição tornou-se evidente em dois pontos controversos: a questão da referência a Deus na Constituição e a da menção das raízes cristãs da Europa. Visto que no artigo 52 da Constituição são garantidos os direitos institucionais das Igrejas, dizem que podemos ficar tranquilos. Mas isto significa que as Igrejas, na vida da Europa, têm lugar no âmbito do compromisso político, enquanto que no âmbito das bases da Europa a marca do seu conteúdo não tem qualquer espaço.
As razões que se dão no debate político para este claro “não”, são superficiais, e é evidente que, mais do que indicar a sua verdadeira motivação, encobrem-na. A afirmação de que a referência às raízes cristãs da Europa feriria os sentimentos dos muitos não-cristãos que vivem na Europa, é pouco convincente, dado que se trata, antes de mais, de um facto histórico que ninguém pode negar com seriedade. Naturalmente, este aceno histórico contém também uma referência ao presente, uma vez que, com a menção das raízes, se indicam ao mesmo tempo as fontes residuais da orientação moral, isto é, um factor de identidade desta formação que é a Europa. Quem é que ficaria ofendido? De quem se ameaçaria a identidade? Frequente e voluntariamente são trazidos à baila, a este respeito, os muçulmanos, mas de facto eles não se sentem ameaçados pelas nossas bases morais cristãs, mas sim pelo cinismo de uma cultura secularizada que nega as suas próprias bases. E até os nossos concidadãos judeus não podem ficar ofendidos por causa da referência às raízes cristãs da Europa, pois estas remontam ao monte Sinai: trazem em si a marca da Voz que se fez ouvir no monte de Deus, e nos unem nas grandes orientações fundamentais que o Decálogo doou à humanidade. O mesmo se diga em relação à referência a Deus: não é a menção de Deus que ofende os que pertencem às outras religiões, mas sim a tentativa de construir a comunidade humana absolutamente sem Deus.
Cardeal Joseph Ratzinger, 01-04-2005

Vitor Costa Lima
(http://cantoarmas.blogspot.com)
(mailto:vitorcostalima@gmail.com)

Comentar post

.pouco de mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

.pesquisar

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Obviamente Nao

. ...

. Meguido

. Um mês diferente

. Mulheres Feministas

. Oásis

. deserto

. Espelho especial

. Tenhamos Fé

. 2º parte - provas que Jes...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Maio 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

.favoritos

. O animal humano

blogs SAPO

.subscrever feeds